segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Hebreus 11

No último mês de setembro fui com alguns amigos para a praia. Apesar de estar fazendo um mês que tinha passado por uma experiência dolorosa na área amorosa, foi um passeio muito bom onde me diverti muito e acabei-me esquecendo do ocorrido recente.
Só no caminho de volta para a casa que fui me lembrar que a última vez que tinha estado na praia, esta pessoa com quem eu havia rompido recentemente estava comigo. Enquanto me vinha algumas lembranças de nós juntos, no carro estavam um casal de amigos na frente e eu no banco de trás sentado no meio de duas amigas que dormiam em meus ombros, que ao meu ver não era tão confortável quanto parecia estar sendo para elas. Talvez fosse só o cansaço mesmo.
Então, aproveitando-se do silêncio dos que dormiam, puxei um papo com Deus. Disse que estas lembranças não eram das mais agradáveis e que eu sabia como me livrar delas, porém eu estava escolhendo naquele momento fazer Sua vontade. Perguntei a ele se ele tinha conhecimento pelo o que eu estava passando e das emoções que eu havia vindo sentindo ultimamente.
Como sempre Deus não nos responde como esperamos e me fez lembrar de Hebreus 11 onde fala sobre os heróis da fé, não que eu chegue perto de ser comparado com qualquer um dos personagens citados nesta passagem.
Neste capítulo temos o relato de muitas pessoas, que também decidiram trilhar caminhos diferente dos que os humanos costumam trilhar e embora nenhum deles recebeu a recompensa de suas decisões nesta vida, pelo menos não sofreram as más consequencias que boa parte dos humanos recebem por não seguirem a voz de Deus.
Entendi o recado de Deus para mim. Foi explícito. Se eu quiser viver tudo o que ele me prometeu, eu devo simplesmente entregar tudo à Ele e descansar. É claro que continuarei passando por momentos de apreensão, contudo o meu relacionamento com Ele deve estar baseado na fé e não no que estou simplesmente sentindo no momento. 
É lógico então que ele sabia tudo o que eu estava passando, mas como Ele está acima de tudo e de todos e tem uma percepção muito melhor que a minha que só consigo enxergar o passado e presente, Ele estava me permitindo passar por tudo aquilo sabendo que a vontade dEle era a melhor opção para aquele momento.
Me senti muito aliviado após Ele falar comigo e foi muito bom saber que embora racionalmente e emocionalmente as decisões que eu tenho tomado não pareçam certas, é importante saber que é exatamente isso que ele espera de mim.
Deixo essa pequena reflexão aqui encorajando você também a não fazer parte da maioria, mesmo que não seja nada confortável pertencer a qualquer minoria. 
Seja corajoso(a), valente, surpreenda e seja surpreendido. Não se conforme, mas transforme-se. Seja um herói/heroína da fé!

Lucas Augusto.


Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte. - Provérbios 14:12

O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável. Quem é capaz de compreendê-lo? - Jeremias 17:9

Ao homem pertencem os planos do coração, mas do Senhor vem a resposta da língua. - Provérbios 16:1

A tristeza é melhor do que o riso, porque o rosto triste melhora o coração. -  Eclesiastes 7:3



segunda-feira, 15 de abril de 2013

Quem eu represento


Nas últimas semanas eu tenho visto nos meios de comunicação diferente grupos de pessoas se manifestando dizendo que determinada pessoa ou grupo lhes representam, e outros dizendo que estas mesmas pessoas ou grupos não os representam. E, como resultado, surgiu-me a necessidade de escrever sobre o tema.
Não se preocupe porque não irei falar sobre quem me representa ou não. Provavelmente você esteja de saco cheio de toda esta estória, assim como eu.
Pelo fato, de eu concordar e ser um seguidor da filosofia de Jesus Cristo eu posso ser considerado um cristão, e como cristão eu sou chamado a ser um embaixador de Cristo. ( 2 Coríntios 6:20)
Eu gosto desta ideia de ser um embaixador porque, não sei se você sabe, mas um embaixador é o representante de um país em outro país. Por exemplo, Roberto Colin é o atual embaixador do Brasil na Coréia do Norte. Ele é o representante do Brasil na Coréia do Norte. Ele fala em nome do Brasil, ele responde em nome do Brasil, ou seja, ele é o Brasil na Coréia do Norte.
Vamos supor que Roberto Colin cometa algum crime na Coréia do Norte. Pela lei internacional ele não pode ser julgado ou preso na Coréia do Norte pelo fato de ele ser uma “propriedade brasileira” e somente em solo brasileiro ele pode ser julgado ou preso. Uma outra coisa interessante é que o escritório de Roberto Colin (Embaixada Brasileira), sua casa na Coréia do Norte não é uma propriedade da Coréia do Norte, e sim uma propriedade brasileira pelo simples fato de Roberto estar lá.
Seguindo este pensamento toda pessoa que se denomina cristão deve andar como Cristo andou (1 João 2:6), se comportar como ele se comportou, não é?
Então, tenho algumas perguntas a fazer a você que é cristão. Qual deveria ser a atitude de um cristão ao tomar um tapa na cara? Deveria este cristão devolver o tapa ou oferecer a outra face? O que Jesus fez nesta situação? Ele revidou? Qual tem sido sua atitude? Você tem o representado à altura?
          Manifestantes entram no saguão da Assembleia Legislativa em Goiânia (Foto: Adriano Zago/G1)[1]

Com certeza é mais fácil dizer que alguém me representa ou não do que me responsabilizar por fazer deste mundo um mundo melhor.
Vai aí um último aviso, seja você cristão ou não. Cuidado ao escolher quem o representa. A bíblia diz “Maldito o homem que confia no homem”. (Jeremias 17:5) 

terça-feira, 14 de agosto de 2012

O porquê eu não fumo maconha


Antes de tudo queria deixar claro que não tenho como objetivo, ao escrever este texto, criticar as pessoas e amigos que fazem o uso da maconha e nem fazer apologia à ela. Meu único intuito é de apresentar meus motivos pessoais para não usar.
Eu poderia dizer a você que não fumo maconha porque sou cristão e minha religião não permite, mas não é. Poderia dizer que isto se deve ao fato de ter estudado sobre os efeitos da maconha no cérebro e saber que ela traz prejuízos a nossa concentração, memória, raciocínio e aprendizado; mas não é. Poderia te dizer também que não fumo maconha porque passei toda minha infância e adolescência dentro de uma clínica química jogando bola, nadando, soltando pipa e fazendo centenas de amizades com dependentes químicos em tratamento e por ter visto que o uso das drogas não lhes trouxe nenhum acréscimo em suas vidas, ao contrário, tiveram suas famílias afetadas e seus sonhos interrompidos. Mas ainda não é este o motivo de eu não fumar maconha. Também poderia dizer que não uso maconha porque de acordo com as leis do meu país o seu uso é proibido, mas não é por esta razão.
O real motivo de eu não fumar maconha se deve ao fato de eu saber que só precisa de paz quem não tem paz.
Me chamou a atenção uma vez quando um amigo me disse que ele fumava maconha pra ficar na paz de Jah (muitos não sabem, mas Jah é a abreviação de Jeová, o Deus da bíblia, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó).
Existe uma grande diferença entre “estar” na paz de Jah e “viver” na paz de Jah. O estar tem como característica a transitoriedade, ou seja, o que agora está pode-se não estar a daqui poucos minutos depois. E quando falamos de viver, no sentido ontológico, não se referimos a um simples estado, e sim a algo permanente. Onde existe vida, existe alguém vivendo.
Quando Jesus Cristo, o filho de Jah, esteve por aqui ele disse: Deixo-lhes a paz; a minha paz vos dou. Não a dou como o mundo a dá. Não se perturbe o seu coração, nem tenham medo (João 14:27).
E é nessa paz que tenho vivido, paz esta diferente de qualquer paz proporcionada pelos prazeres deste mundo.
Na paz de Jah esperarei pela vinda de seu Filho, que prometeu voltar me buscar para morar consigo em um lugar onde não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro e nem dor. Um lugar igual a este pode ser chamado de paraíso. Paraíso que, segundo a música Cada um cada um do grupo Combinação Lethal, não pode ser encontrado através da maconha.
Um dos significados do nome Jesus, nome escolhido por Jah para seu filho, é Príncipe da Paz. Então, se você quiser experimentar desta paz que estou te falando basta reconhecer que só Ele é a Paz e que não existe outra fonte de paz a não ser Ele.
Nossa, deixe eu parar por aqui porque já estou viajando demais nessa Paz hehe.
Curta aí esse Reggae e paz de Jah para o seu coração!



quinta-feira, 21 de junho de 2012

Bendito ou maldito Facebook?


Depois de alguns meses sem postar algo, estou novamente aqui para tentar expressar em palavras algo que tenho refletido em meus momentos a sós.
O tema é bastante comentado nos dias atuais e em quase todas rodas de conversa ele está presente. Refiro-me ao “bendito” Facebook, ou “maldito” rs.
Nesta rede social encontramos todos os tipos de postagens e comentários. Algumas vezes curtimos e compartilhamos uma publicação e outras vezes preferimos nem comentar. Muitas vezes criamos certa afinidade com alguns amigos do Face devido eles partilharem das mesmas coisas que gostamos e outras vezes nos surpreendemos com certas publicações de amigos por estarem se apresentando de uma forma tão diferente da qual imaginávamos.
Para continuar a falar sobre este assunto preciso somente fazer uma observação em relação a opção “curtir” do Facebook. Na versão em inglês o nome desta opção é “like” que traduzindo para o português tem mais o sentido de você gostar de algo.
E nós humanos, no contato com o outro nos definimos pelo que gostamos e não gostamos. Por exemplo, quando falo para alguém que gosto mais de doce do que salgado, eu estou apresentando quem é o Lucas para esta pessoa.
Até ai tudo bem, o difícil é quando o outro gosta mais de salgado do que de doce, ou acredita que somente comer salgado é saudável, ou se ele é diabético e não pode ouvir a palavra doce que sua diabetes já se desregula.
Para tornar mais clara esta questão, quero contar uma história sobre um avô, um neto e um burro.
Um velho resolveu vender seu burro na feira da cidade. Como iria retornar andando, chamou seu neto para acompanhá-lo. Montaram os dois no animal e seguiram viagem.
Passando por umas barracas de escoteiros, escutaram os comentários críticos; "Como é que pode, duas pessoas em cima deste pobre animal!".
Resolveram então que o menino desceria, e o velho permaneceria montado. Prosseguiram…
Mais na frente tinha uma lagoa e algumas velhas estavam lavando roupa. Quando viram a cena, puseram-se a reclamar; "Que absurdo! Explorando a pobre criança, podendo deixá-la em cima do animal".
Constrangidos com o ocorrido, trocaram as posições, ou seja, o menino montou e o avô desceu.
Tinham caminhado alguns metros, quando algumas jovens sentadas na calçada externaram seu espanto com o que presenciaram; "Que menino preguiçoso! Enquanto este velho senhor caminha, ele fica todo prazeroso em cima do animal. Tenha vergonha!".
Diante disto, o neto desceu e desta vez o velho não subiu. Ambos resolveram caminhar, puxando o burro.
Já acreditavam ter encontrado a fórmula mais correta quando passaram em frente a um bar. Alguns homens que ali estavam começaram a dar gargalhadas, fazendo chacota da cena; "São mesmo uns idiotas! Ficam andando a pé, enquanto puxam um animal tão jovem e forte!".
O avô e o neto olharam um para o outro, como que tentando encontrar a maneira correta de agir.
Então ambos pegaram o burro e o carregaram nas costas!
É bem provável que você já tenha passado por uma situação igual a deste senhor ao ter feito alguma publicação em alguma rede social. E como consequência disto nos surge uma pergunta. Então o que devo postar e o que não devo, já que nem todos pensam igual a mim?
Quero que saiba que meu intuito ao escrever este texto é também encontrar uma resposta para esta pergunta, mas ainda não tenho, o que tenho é uma dica.
Na bíblia existe um versículo muito interessante no livro de Provérbios 18:21 que diz: “A morte e a vida estão no poder da língua; e aquele que a ama comerá do seu fruto.
Muitos ao lerem este versículo se lembram somente da língua falada, mas acabam por esquecer que também existe  a linguagem escrita que é a qual estou utilizando para  me  comunicar com você neste momento.
Quando falamos de vida falamos de início, de novidade, de coisas boas e quando falamos de morte nos referimos a fim, destruição, coisas desagradáveis.
Com isto, a pergunta que faço é: Você tem usado sua língua; seja ela falada, escrita, ou artística; para produzir vida ou morte? Para iniciar novas amizades ou para por fim nelas? Para construir ou para destruir? O poder pertence a você!
Antes de você usar sua liberdade de expressão para dizer algo reflita sobre o valor dessa expressão com liberdade.

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Salmo 73 - Versão 2011

Com certeza Deus é bom para nós, para os que não se deixam corromper por este mundo. Mas pra falar a verdade, não tem sido nada fácil pra mim viver neste tal de século XXI.
O mundo tem nos oferecido muitas opções de divertimento e lazer. Creio que nunca na história da humanidade o ser humano teve tantas opções de se satisfazer quanto hoje em dia. Voar, mergulhar, saltar, baladas recheadas de música eletrônica, drogas, sexo, etc. Tudo esta aí, acessível a todos.
E neste contexto encontro eu, desafiado, como cristão, a abrir mão de todos estes prazeres em troca de uma vida feliz em um novo céu, uma nova terra prometida por Deus.
Sou desafiado também a convencer outros a abrirem mão dos prazeres deste mundo para se juntarem a mim rumo ao céu. Mas como farei isto se constantemente me pego pensando que são estas pessoas as mais felizes do mundo? Diferente de mim que vivo triste e angustiado por ter que renunciar tudo por uma promessa que talvez não seja verdadeira?
Que prazer tem o cristão? Que benefícios recebo por renunciar os prazeres deste mundo?

Alguns tentam me consolar dizendo que a alegria oferecida por estes prazeres é momentânea e que logo a tristeza volta a se instalar. E mesmo que isto seja verdade, ao meu ver, as pessoas que tem desfrutado destes prazeres se encontram em melhor situação que a minha, porque pelo menos eles têm algum momento de felicidade. E eu que além da angústia de viver num mundo como este sou obrigado a se entristecer mais ainda por não poder desfrutar de alguns momentos de felicidade que os prazeres deste mundo me oferecem?
Ops... licença leitor, acabei de receber um SMS de minha amiga Sabrina (agora com esse tal de Vivo ON a gente não tem sossego nem para escrever um desabafo nosso). Vou ler aqui para nós. MENU>MENSAGENS>CAIXA DE ENTRADA, pronto. "E essa pequena e passageira aflição que sofremos vai trazer uma glória enorme e eterna, muito maior do que o sofrimento. Porque nós não prestamos atenção nas coisas que se veem, mas nas coisas que não se veem. Pois o que pode ser visto dura apenas um pouco, mais o que não pode ser visto dura para sempre. Uma ótima tarde. Deus abençoe".

Manooo, que mensagem é esta? Parece até que essa minha amiga estava vendo eu escrevendo este texto! Quebrou minhas pernas...
Desculpa aí Deus, não foi minha intenção te criticar. Só peço tua ajuda então para abrir meus olhos para enxergar além do visível. Você sabe que reconheço que sem Ti nada sou.
Outro SMS da Sabrina, vamos ver o que diz: "É necessário ter paciência para que depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo e o que há de vir virá e não tardará".
É, depois desta mensagem só posso concluir que, embora com minhas atitudes demonstre que também curto os prazeres deste mundo, na verdade eu decidi me satisfazer realizando sua vontade Deus, que é boa, perfeita e agradável. 
Bom para mim é estar perto de Ti meu Deus, me sinto a vontade ao seu lado, me comprometo a divulgar tua bondade a todos que quiserem ouvir.

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Um conto em 144 caracteres

LadO dE DeNtrO: Um conto em 144 caracteres:


O menino, pqno, corria de braços abertos, pelos corredores do templo, imaginando ser 1 avião."nhóoumm", fazia com a boca, qndo de repente...

Altivo, veio o homem engravatado, com sua religiosa razão, lançando-lhe 1 repreensão: Muleque encapetado, + respeito com a casa do Senhor...

Ele desligou os motores e aterrissou. Confuso, sentou-se num canto pra tentar entender o sentido daquela repreensão...

É q ele aprendeu certa vez, que Deus faz morada nos corações. Então, ele gritou: "Mais respeito comigo, senhor, pq a casa de Deus sou eu."

Deus habita onde há corações de menino, que fazem da vida um vôo livre. Mas jamais morará em corações q se assemelham à templos de concreto.

sábado, 10 de setembro de 2011

Igreja e Homossexualismo. Um novo desafio

Quantos trabalhos lindos são realizados pela Igreja na reintegração e ressocialização de drogaditos, alcoolistas, mendigos, prostitutas, etc.
Conheço histórias impactantes de pessoas que devido ao uso de drogas e/ou álcool perderam tudo em suas vidas e, após serem acolhidos por uma igreja, tiveram a oportunidade de reconquistar o que o vício lhes roubara.
Conheço ex-profissionais do sexo que após ouvirem sobre o poder libertador do Evangelho foram livres desta realidade que antes as escravizava.
Entretanto, quando se trata de um trabalho com a classe dos homossexuais tenho percebido que a Igreja não tem dado a devida atenção.
Porém sei também que esta falta de atenção não demonstra pouco caso para com esta classe, e sim o fato de a Igreja não saber que trabalho realizar com os homossexuais.
Mas mais prejudicial que o não saber como se trabalhar é o preconceito que temos desta classe. Afirmo isto devido o fato de o não saber servir de ponto de partida para se chegar ao saber, contrário ao preconceito que nos engessa impedindo que enxerguemos em um homossexual, o humano que nele habita.
Não pretendo com este texto dizer qual o trabalho que a Igreja tem que realizar com os homossexuais, nem de expressar minha opinião pessoal sobre o homossexualismo, mas dizer que precisamos, enquanto Igreja, olhar para um homossexual da mesma forma que olhamos para um drogadito, alcoolista ou para nós mesmos. Nunca olhar para o outro identificando o que nele necessita ser mudado e sim desejando que o Deus que muda vidas habite nele.

Tatuí, 08 de setembro de 2011. 03:03h